Raymundo

Raymundo é um documentário realizado em 2003 pelos diretores Ernesto Ardito e Virna Molina , sobre o documentário argentino que desapareceu durante a ditadura militar de 1976 , Raymundo Gleyzer , um dos principais referentes do cinema combativo e militante que foi seqüestrado em 1976 e continua faltando. citação 1 . O documentário ganhou 15 prêmios internacionais e participou como seleção oficial em 40 festivais ao redor do mundo.

Como é comum nesses diretores, o filme está disponível na internet. 2

Características do filme

Segundo os autores, o filme difere dos documentários até agora concebidos:

“A principal coisa no tratamento estético é que a linguagem não é televisão, mas cinematográfica. Ela difere do denominador estético comum do documentário atual, porque não aborrece os entrevistados na câmera. sempre afetado pela assembléia ideológica e emotiva do arquivo “. (…) “O documentário é estruturado de acordo com uma curva dramática semelhante à de um filme de ficção para melhorar a incorporação experiencial do espectador para a história”. (…) “Estética trabalhamos com a presença dominante de fragmentos de filmes, material de arquivo de filmes, fotos e gráficos do tempo, por um lado e, por outro lado, um som de arquivo histórico, de música contemporânea ao tempo que está sendo narrado e os testemunhos em off (entrevistados e Raymundo) que contam ao espectador suas experiências de vida nos diferentes momentos. Somente quando o entrevistado apresenta um ponto afetivo ou testemunho climático, é apresentado na imagem. E outro ponto é que também, fotomontagem e animação com desenhos são usados ​​para que o visualizador possa visualizar situações não registradas em imagens de arquivo, por exemplo, a construção de um cinema pelo grupo de filme da base.1

Prêmios

  • Prêmio First Coral para Melhor Prêmio de Documentário e Memória Documental. Festival de Cinema Latino-Americano de Havana, Cuba, (dezembro de 2003).
  • Melhor Documentário de Direitos Humanos. Festival de Cinema Latinoamericano da Área da Baía de São Francisco, EUA (novembro de 2003).
  • Melhor filme documentário. Festival de Cinema Latino-americano de Brescia, Itália. (Novembro de 2003).
  • Golden Olive Award para Melhor Documentário de Ficção. Festival Internacional de Cinema Documentário de Kalamata, Grécia. (Outubro de 2003)
  • Melhor filme documentário. Festival Internacional de Cinema de Valdivia, Chile. (Outubro de 2003).
  • Melhor “Prima Opera”. DOCUPOLIS, Festival Internacional de Documentários de Barcelona, ​​Espanha. (Outubro de 2003).
  • Prêmio “União Latina”. Festival de Cinema Latino-Americano de Trieste, Itália. (Outubro de 2003).
  • Melhor filme documentário. Festival de Cinema de Málaga, Cinema espanhol, Espanha (abril de 2003)
  • Prêmio Especial do Júri. Festival Internacional de Cinema Latino Americano de Los Angeles, EUA (18 de julho a 2 de agosto de 2003).
  • Melhor Documentário e Melhor Direção Menção. Festival Latino-Americano de Cinema e Vídeo de Buenos Aires, Argentina (outubro de 2003)
  • Melhor documentário argentino. IV Festival Nacional e 1º do Mercosul de Cinema e Vídeo Documentário, Argentina (12-18 de julho de 2003)
  • Melhor filme no voto público. Rencontres Internacionais do Documentário de Montreal. Canadá. (15-22 de novembro de 2002).
  • Prêmio Especial do Júri. Festival Internacional de Direitos Humanos de Buenos Aires (DERHUMALC). Argentina (18 a 28 de novembro de 2002).

Entradas em destaque

  • O filme participou da “Noite de abertura” no Robert Flaherty Film Seminar 2003 no Vassar College, Nova York, EUA, o ponto de encontro anual dos documentaristas mais prestigiados na cena mundial.
  • O filme foi o primeiro filme argentino presente em toda a história do Festival Internacional de Documentários de Yamagata no Japão, que é o mais alto exponente do seu tipo no Oriente, participante na seção Competição Internacional.

Seleção oficial em festivais de cinema

 

Em competição

  • Rencontres Internacionais do Documentário de Montreal. Melhor filme no voto público (novembro de 2002).
  • Festival Internacional de Direitos Humanos de Buenos Aires. Prêmio Especial do Júri (novembro de 2002).
  • Festival Internacional de Cinema de Friburgo, Suíça. Seleção Oficial, Documentários em Competição. (Março de 2003)
  • Full Frame Documentary Film Festival, EUA (abril de 2003). Seleção oficial, filmes em competição. Diretor: Martin Scorcese
  • Festival Internacional de Cinema de Montevidéu, Uruguai. Selecção Oficial, Documentários em Competição, (Abril de 2003).
  • Festival de Cinema de Málaga, Cinema espanhol, Espanha. Melhor filme documentário. (Abril de 2003)
  • Festival Nacional de Filmes e Documentários, Argentina e Argentina. Melhor Documentário Argentino (julho de 2003).
  • Festival Internacional de Cinema Latino Americano de Los Angeles, EUA. Prêmio Especial do Júri (julho de 2003).
  • Cinema Paradise, Island Independent Film Festival em Honolulu, EUA. Seleção oficial, documentários em competição (setembro de 2003).
  • Festival Internacional de Documentários e Curtas Metragens de Ismailia, Egito. Seleção oficial, documentários em competição (setembro de 2003).
  • “La Cita, Festival de Biarritz, seleção oficial de França para o Prêmio” Unión Latina “(setembro de 2003).
  • Festival Latino-Americano de Cinema e Vídeo de Buenos Aires, Argentina. Melhor Documentário e Menção ao Melhor Diretor, (outubro de 2003).
  • Festival Internacional de Cinema Documentário Yamagata, Japão. Selecção Oficial, Competição Internacional (Outubro de 2003).
  • Festival Internacional de Cinema de Valdivia, Chile. Melhor Documentário (outubro de 2003).
  • DOCUPOLIS, Festival Internacional de Documentários de Barcelona, ​​Espanha. Melhor Opera Prima (outubro de 2003).
  • Festival de Cinema Latino-Americano de Trieste, Itália. Prêmio “Unión Latina” (outubro de 2003)
  • Festival Internacional de Cinema Documentário de Kalamata, Grécia. Olivo de Oro para Melhor Documentário (outubro de 2003).
  • Docudays, Festival Internacional de Cinema Documentário de Beirute, Líbano. Seleção oficial, filmes em competição (novembro de 2003).
  • Festival de Cinema Latino da Baía de São Francisco, EUA. Seleção Oficial, Concurso de Direitos Humanos (novembro de 2003)
  • Festival de Cinema Latino-americano de Brescia, Itália. Melhor filme documentário (novembro de 2003)
  • Festival de Cinema Latino-Americano de Havana, Cuba. Prêmio First Coral para o Melhor Prêmio de Documentário e Memória Documental (dezembro de 2003)

Fora de competição

  • Festival de Cinema Latinoamericano de Toulouse, França. Seção “Cinema político”. (Março de 2003).
  • Arizona Film Festival, EUA. Seção “Cinema para uma mudança social” (abril de 2003).
  • Taos Talking Pictures Film Festival, EUA. Seleção oficial de documentários (abril de 2003).
  • Festival Internacional de Cinema Independente de Buenos Aires, Argentina. Seção “Traces of the Real” (abril de 2003).
  • Festival Internacional de Cinema de Arte Trencianske Teplice 2003, Eslováquia. Seleção oficial, seção não competitiva (junho de 2003).
  • Robert Flaherty Film Seminar em Vassar College, EUA. Filme de abertura (junho de 2003).
  • Ativando o Festival de Cinema dos Direitos Humanos Byron Bay, Austrália. Festival não competitivo (julho de 2003)
  • Festival Internacional de Cinema de Dahlonega, EUA. Documentários de Seleção Oficial de longa-metragem (junho de 2003).
  • Perspektive, Human Rights Film Festival de Nuremberg, Alemanha. Selecção Oficial, Fórum Internacional. (Setembro de 2003).
  • Mostra Cine del Plata, Colonia, Uruguai. Seção de documentários argentinos. (Outubro de 2003)
  • Exposição Nacional de Filmes Documentários Antropológicos e Sociais, Argentina. Seleção oficial (outubro de 2003).
  • Festival Internacional de Cinema de Bogotá, Colômbia. Visão geral internacional (outubro de 2003).
  • Festival Internacional de Cinema Documentário de Amsterdã (IDFA), Países Baixos. Jan Vrijman Fund Section (novembro de 2003).
  • Filmar na América Latina, Festival de Cinema Latino-Americano de Genebra, Suíça. Amostra não competitiva (novembro de 2003).
  • Ankara International Film Festival, Turquia. Seleção Oficial, Seção “Para Oposse!” (Dezembro de 2003).
  • International Seoul Labor Film and Video Festival, Coréia. Festival não competitivo (novembro de 2003).
  • Concurso de Cinema e Vídeo de Santa Fé, Argentina. Seção Tributo a Gleyzer (novembro de 2003).

Prêmios para realizar o projeto

O filme foi feito com o apoio de:

  • o Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais (INCAA)
  • o Fundo Nacional para as Artes (vencedor do concurso de Bolsas Audiovisuais),
  • Fundação Alter-cine (Canadá, vencedora da Bolsa Anual Única para produções em países em desenvolvimento),
  • Jan Vrijman Fund (Países Baixos, Fundação dependente do Festival Internacional de Documentários de Amesterdão – IDFA – vencedor do concurso de subsídios documentários nos países em desenvolvimento).

Citações

  1. Voltar ao topo↑ Na vida, Gleyzer foi um dos principais líderes do cinema militante e militante, e depois de seu “desaparecimento” foi na mais escura das descuidos para a sociedade. Este documentário procura retornar o que a CIA e as ditaduras latino-americanas não poderiam destruir: a memória, os ideais e o valor da verdade. 1

Referências

  1. ↑ Ir para:b Raymundo. A luta de uma geração inteira de cineastas revolucionários . http://www.filmraymundo.com.ar
  2. Voltar ao topo↑ O trailer, a versão original em espanhol e a versão com legendas em inglês, disponível em http://www.virnayernesto.com.ar/VYERAYMUNDOVER.htm

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *