Plano (linguagem audiovisual)

Na linguagem visual, o plano é a perspectiva visuais físicos personagens, objectos e elementos (s) imagem (s) como as capturas a observadores a partir de um determinado local, que cobre toda a imagem (a armação ), ou em cada corte ao longo da profundidade implícita na imagem. Enquanto a vista permanece fixa em um lugar e não muda a distância a partir do qual os objetos são contempladas na imagem, ou alterá-los, você fala sobre (l) (a) mesmo (s) plano (s).

Estamos diante de uma terminologia que se originou na pintura com posterior ampliação na cinematografia e, em menor grau, em outras artes ( fotografia , desenho animado e ilustração , …).

Seu uso é comum nas diferentes artes visuais, mas muitas vezes com diferentes abordagens.

Tipologia

Em termos gerais, os seguintes tipos de avião são reconhecidos (todas as indicações são aproximadas e flexíveis):

De acordo com o tamanho do plano

  • Mapa panorâmico, plano general geral ou grande : mostra um excelente estágio. O (s) personagem (s) não aparecem ou são diluídos no ambiente. Tem um valor descritivo e pode adquirir um valor dramático quando se pretende realçar a solidão ou a pequenez do homem em relação ao meio ambiente.
  • Plano baixo : mostra um estágio amplo em que a pessoa é incorporada e ocupa entre 1/3 e 1/4 da câmera. Possui um valor descritivo das pessoas ou um ambiente específico de valor descritivo, narrativo ou dramático.
  • Plano inteiro : quando os limites superior e inferior da imagem quase coincidem com a cabeça e os pés.
  • Plano americano : O plano americano, ou também chamado de 3/4, ou plano médio longo, corta a figura pelo joelho aproximadamente. É ótimo no caso de enquadrar duas ou três pessoas que estão interagindo. Recebe o nome de “americano” porque este avião apareceu antes da necessidade de mostrar as personagens junto com seus revólveres em westerns americanos.
  • Plano médio : apresenta a figura humana cortada pela cintura. Tem um valor expressivo e dramático, mas também um valor narrativo.
  • Médio curto : mostra a figura humana (busto) do peito para a cabeça.
  • Close-up : vai das clavículas para cima.
  • Primeiro plano (close up) : mostra do queixo até a testa, é um primeiro plano muito próximo.
  • Plano detalhado : foco em um objeto (uma caneta, um despertador, etc.)
  • Mapa de situação : pode ser de lugar ou temporário e é usado para localizar a ação temporariamente e espacialmente .

Visual ângulo 1[ editar ]

ângulos de câmera ou filme ou televisão

O ângulo que a câmera ou o pintor tem em relação ao assunto ou objeto (s) de interesse, alterará o caráter e os planos de cada tiro.

  • Normal ou Neutro : o ângulo da câmera é paralelo ao solo e está ao nível dos olhos ou, se for um objeto, na altura média.
  • Picado : é uma angulação oblíqua superior, isto é, acima da altura dos olhos ou a altura média do objeto e é orientada ligeiramente para o solo. Normalmente, a costeleta representa um caráter psíquicamente fraco, dominado ou inferior.
  • Contrapicado : oposto ao picado. Normalmente representa um caráter forte psíquico, dominante ou superior.
  • Nadir : a câmera é colocada completamente abaixo do personagem, em um ângulo perpendicular ao solo.
  • Cenital : a câmera é colocada completamente acima da personagem, em ângulo também perpendicular.
  • Plano holandês ou aberrante : quando a câmera está ligeiramente inclinada, geralmente em um ângulo de 45 graus. Isso mostra instabilidade.
  • Subjetivo . A câmera nos mostra o que o personagem está observando, ou seja, pegue um momento a primeira pessoa do personagem.
  • Semissubjetivo . A câmera nos mostra parte do personagem (Geralmente por trás disso) além do que você está vendo.
  • Lateral . A câmera está em 90 graus mostrando uma visão “lateral”, geralmente usada como um plano subjetivo.

Altura

  • Normal : a câmera é colocada a uma distância do solo equivalente à da vista. Entre 1.50 e 1.80 metros.
  • Alto : está localizado a uma distância superior a 1,80 metros, se a distância do solo é muito alta, fala-se de uma câmera aérea.
  • Baixa : está localizada a uma distância inferior a 1,00 metros.

Os planos nas diferentes artes

O plano cinematográfico

Artigo principal: plano cinematográfico

O plano cinematográfico é a unidade narrativa mais pequena mas significativa do evento audiovisual. É a parte de um tiro de filme em um único tiro.

É uma visão da câmera de filme.

O plano histórico

As mudanças de plano, ângulo e quadro são muito importantes para dar mais interesse à narração. Como José María Parramón Vilasaló ressalta :

” Quando nos afastamos dele, ilustramos o que ele é e o que ele está fazendo em termos mais gerais, relacionando-o com a cena e o enredo do quadrinho “. 2

Eles argumentam que o plano geral apenas coloca o personagem no meio, mas os grandes contadores de histórias sabem como aproveitar o espaço em que os personagens se movem. O estágio deve ser respeitado à medida que os personagens são respeitados, talvez até mais, pois é aquele que interage com todos eles. Um cenário assustador, influenciará claramente os personagens e agirá de forma muito diferente em um silêncio.

O plano na pintura

Na pintura principalmente, mas também no resto da escultura de artes visuais, não é considerada como arte visual, é chamado de plano para cada corte ao longo da profundidade simulada ou inferida na pintura. Então você tem um close-up, para as coisas que são mais próximas ao pintor ou autor. O plano do meio, com objetos na distância intermediária. E o fundo ou objetos que estão por trás do objeto de interesse. Geralmente, o plano mais importante é o plano médio, onde os objetos de interesse são mais ou menos centrados e o resto dos objetos ao redor em primeiro plano ou no fundo enquadrando ou direcionando a atenção do espectador para o assunto de pintura e / ou objeto (s) principal (es).

Veja também

  • Plano de presença (som) (A mesma estrutura focada em captador de som.)
  • Moldura

Referências

  1. Voltar ao topo↑ Xakatafoto (25 de outubro de 2007). «Curso de Fotografia: 9. Tipos de Plano» . Recuperado em 11 de maio de 2015 .
  2. Voltar ao topo↑ Blasco, Jesus e Parramón, José Mª. em Como desenhar tiras cómicas , Parramón Ediciones, SA, 1966, p. 50.

Leave a Reply

Your email address will not be published.